Maduro exige que todos os bancos venezuelanos adotem o Petro como moeda de transação

Maduro exige que todos os bancos venezuelanos adotem o Petro como moeda de transação

Maduro exige que todos os bancos venezuelanos adotem o Petro como moeda de transação

Após oficializar o Petro como segunda unidade contável da Venezuela, como anunciado pelo Folha de Investimentos, o presidente Nicolás Maduro está exigindo que todos os bancos públicos e privados do país adotem a criptomoeda.

A partir de agora, os bancos passarão a trabalhar com duas unidades: a Petro e a Bolívar Soberano, a oficial. Na atual cotação, o Petro vale o equivalente a um barril de petróleo U$ 60 (aproximadamente R$ 210). Já a Bolívar vale U$ 0,0000040. Todas as transações devem ser realizadas com as duas moedas, seja no site de transações ou em comunicação com clientes externos.

O que é o Petro?
O Petro é mais uma iniciativa do governo venezuelano para sair tentar tirar o país da crise e da hiperinflação (que fechará esse ano em 1.000.000%). Apesar de ser uma criptomoeda, ela não é descentralizada como o Bitcoin ou o Ethereum, o próprio estado é o responsável pela sua emissão.

A moeda foi lançada no dia 20 de agosto, mas já enfrenta duras críticas. O presidente Trump, por exemplo, proibiu os americanos de adquirir o Petro. Outros especialistas a chamam de “farsa” por ser um investimento arriscado