Saiba tudo sobre o processo da SEC contra a Ripple

Saiba tudo sobre o processo da SEC contra a Ripple

Certamente você observou como o mercado de criptoativos anda na expectativa da ação movida pela SEC contra a Ripple. Todavia, há muitas pessoas que ainda não entendem o que está acontecendo e o motivo de o XRP ter caído tanto durante esses últimos dias. Sendo assim, vamos explicar para vocês o que anda acontecendo no mercado de uma das maiores empresas do meio blockchain e um dos principais token do mercado.

Além disso, vamos analisar o que poderá acontecer caso a SEC vença essa batalha…

Como tudo começou

Em primeiro lugar, temos que apontar que a Ripple é uma empresa desenvolvida por Ryan Fugger e que nasceu em 2004. Ou seja, muito antes de o Satoshi Nakamoto apresentar o Bitcoin ao mundo. Ela surgiu com o intuito de fazer com que pessoas comuns pudessem transferir valores entre fronteiras. Algo parecido com que o sistema Swift oferece aos bancos. Nesse momento não existia a ideia de se criar um token para a empresa. Contudo, em 2012, tudo mudou.

No período citado, o empresário Chirs Larsen assumiu a Ripple e co-fundou a empresa como OpenCoin. Logo após a empresa passou por algumas mudanças e passou a se chamar Ripple Labs e depois se consolidou como Ripple Inc. Foi justamente nessa reformulação que o XRP foi criado. Todavia, eles não criaram apenas uma pequena quantidade de tokens, mas sim 100 bilhões de XRP. Além disso, a maior parte desses tokens ficou sobre custódia da Ripple.

SEC vs Ripple

Com o passar dos anos e com o crescimento do XRP, a Ripple passou a vender o token para o mercado, exchanges, fundos e investidores institucionais de maneira reservada. Sendo assim, a Ripple detinha o processo de criação, de distribuição e de controle de liquidez do XRP. É nesse cenário que entra a SEC.

De acordo com a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, todo esse mecanismo faz com que o XRP seja sim considerado um valor imobiliário. Dessa maneira, a Ripple deveria ter se registrado na SEC como uma empresa que está entrando em um contrato de investimentos negociando um valor imobiliário.

Outro ponto apontado pela SEC é que o XRP foi criado apenas para financiar a empresa e enriquecer seus fundadores. Só para exemplificar, de 2013 até 2020, a Ripple vendeu cerca de 14,6 milhões de unidades de XRP, um valor imobiliário de acordo com a SEC,  o que equivale a US$1,38 bilhão para financiar as operações da empresa. Toda essa distribuição foi realizada sem que os representantes da empresa tivessem registrado essa oferta com a SEC, algo exigido pelas leis de valores mobiliários federais.

Embora esses caminhos sejam preocupantes, o CEO da Ripple e também acusado Brad Garlinghouse apontou algo interessante.

“A SEC permitiu que o XRP funcionasse como moeda por mais de oito anos e questionamos a motivação para instaurar esta ação dias antes da mudança na administração. Em vez de fornecer uma declaração clara da estrutura da regulamentar para criptoativos nos EUA, Jay Clayton [presidente da SEC] inexplicavelmente decidiu processar a Ripple – deixando o trabalho jurídico real para o próximo governo”.

Reação do processo no XRP

Logo após o anúncio do processo da SEC, o XRP começou a passar por uma correção gigantesca. Ele deixou de ser negociado a US$0.51 para chegar a níveis atuais de US$0.23. O XRP perdeu sua colocação no terceiro lugar do mercado para o USDT e está muito perto de ser vencido pelo Litecoin. Além disso, diversas exchanges, com o Coinbase, Bitstamp e OSL, suspenderam negociações com o token.

O que acontecerá caso a SEC vença o processo

Embora o futuro seja algo nebuloso, a SEC pode sim, ter chances de vencer essa batalha. Isso pode fazer com que outras corretoras ao redor do mundo também parem de negociar o XRP, pois não possuem autorização para trabalharem com valores imobiliários. Isso certamente causará um grande problema de liquidez para o XRP. Nesse momento de tensão, nem mesmo Sandie O’Connor, ex-executiva do JPMorgan Chase, poderá ser o bote salva vidas da Ripple e muito menos de seu token.