Cripto urna: Conheça O DASH

Cripto urna: Conheça O DASH

Sem dúvida o Bitcoin, criação de Satoshi Nakamoto, é a maior invenção logo após a internet. O criptoativo se tornou um grande destaque ao apresentar um dinheiro verdadeiramente soberano e um mundo de descentralização. O BTC teve um impacto tão grande na forma como vemos dinheiro atualmente que outros ativos digitais surgiram para fechar algumas lacunas que o criptoativo rei não consegue. Apesar de existir mais de 5.000 altcoins, moedas alternativas ao Bitcoin, muitas não passam de projetos jogados ao vento. Contudo, há um destaque nesse meio e ele se chama Dash. O criptoativo já provou a que veio e que está muito longe de ser uma shitcoin.

O Dash surgiu no mercado blockchain em 2014 com o intuito de ser o verdadeiro dinheiro utilizado no dia a dia. Embora o Bitcoin seja o criptoativo mais consumido, ele apresenta alguns “defeitos” que impendem a sua utilização para pagamentos diários. Só para exemplificar, o BTC não consegue ser escalável. Como consequência, suas transações são lentas e em alguns casos a taxa de sua transferência é muito alta. Em contrapartida, o Dash possibilita o envio de dinheiro local ou transfronteiriço em um segundo e por menos de um centavo. Tudo isso independe da quantia e horário. Separamos agora alguns tópicos para que você conheça uma das altcoins que mais cresce ao redor do mundo.

InstantSend Dash

Certamente ninguém quer enviar seu dinheiro e esperar até 60 minutos para a transação ser verificada. Sendo assim, a equipe do Dash decidiu criar o InstantSend para que as transferências sejam bloqueadas e confirmadas em apenas 1 segundo. De maneira simples e rápida, o Bitcoin e outros criptoativos precisam esperar um certo período para garantir que a transação é irreversível evitando assim o problema de gasto duplo. Como sequência, a transferência demora entre 10 minutos e 1 hora. Ou seja, totalmente impraticável para pagamentos diários.

Para resolver esse problema, a equipe do Dash decidiu criar uma rede de masternode descentralizada. Essa rede consegue liberar as 24 confirmações das transações no blockchain da altcoin rapidamente. Além disso, a rede trabalha para garantir que não haja o famoso gasto duplo. Enquanto o Dash consegue ser 3.600x mais rápido que o ouro digital, ele também consegue ultrapassar a prata digital sendo 1.500x mais instantâneo que o Litecoin.

Masternodes Dash

Em resumo, masternode é o computador utilizado para fornecer serviços exclusivos para rede. Ou seja, ele facilita as funções de transações privadas e pagamentos instantâneos de um criptoativo. Dash é líder no mercado de masternodes. De acordo com o protocolo da altcoin, qualquer um pode ser um masternode do criptoativo. Para isso o interessado deve respaldar pelo menos 1.000 Dash. Contudo, hoje em dia há formas de criar um masternode compartilhado onde o usuário do ativo digital pode começar com apenas 1 Dash. Como não poderá usar esse ativo para fazer negociações, a própria rede do Dash recompensa o masternode com pagamentos regulares pelos serviços oferecidos à rede.

Ademais, os serviços dos masternodes vão além das transações do Dash. Eles são o sinônimo de governança na rede. Em contrapartida com muitos projetos que apenas os desenvolvedores tomam decisões, o Dash trata os masternodes como supervisores. Sendo assim, quem decide hospedar um masternode fica altamente comprometido com a altcoin e tem a possibilidade de votar em projetos que podem trazer melhorias para o Dash. Ao contrário de criptoativos que fazem campanhas para arrecadar dinheiro para alguma implantação ou campanha de marketing, o ativo digital tem 10% de seu tesouro para a área de projetos que apoiam o ecossistema.

PrivateSend Dash

É provável que indivíduos que fazem transações com criptoativos queiram privacidade, pois ninguém precisa saber que de onde saiu ou para onde vai grandes ou pequenas quantias de dinheiro. Embora muitos acreditem que a função de enviar ativos digitais em anonimato é algo apenas para criminosos, esse envio tem muito mais a ver com a segurança dos envolvidos nas transferências. Pensando nisso, o Dash decidiu criar o PrivateSend. Anteriormente conhecido como DarkSend, o método é uma sequência de transações embaralhadas. Dessa maneira, quem está de fora não consegue determinar a fonte de envio do Dash.

Ao utilizar a carteira Dash o usuário pode optar por enviar anonimamente qualquer quantia. Ou seja, o uso do PrivateSend é opcional. De forma simples, o processo de mistura é feito por 3 masternodes. O total é enviado e dividido em vários valores parciais de tamanhos idênticos. Logo após, o software da carteira do remetente seleciona um modo mestre e faz uma solicitação de transação pelo valor total, enviando os subtotais. A segurança do PrivateSend do Dash é enorme. Apesar de o criptoativo já ter oferecido prêmios em dinheiro para descriptografar essas transações, até o momento ninguém conseguiu.

ChainLocks Dash

A saber, as ameaças de ataques de mineração de 51% nos criptoativos são reais. Para quem ainda não está familiarizado com o termo, esses ataques ocorrem quando apenas uma mineradora ou entidade possui um poder de hash superior aos demais mineradores. Como resultado de tanto poder, o minerador pode simplesmente anular os blocos de outros mineradores e minerar apenas os seus. Quando isso ocorre, o minerador atacante tem uma vantagem e consequentemente um incentivo financeiro para isso.

Com o intuito de ajudar a comunidade ao ver que esses ataques estavam cada vez mais frequentes, a equipe do Dash decidiu apresentar ao público, em 2019, o ChainLocks. O processo híbrido de proof of work e proof of stake garante segurança para altcoin. De fato, não há como ocorrer um ataque 51%, pois os masternodes estão marcando os blocos com uma votação usando assinaturas de limite mínimo. No momento em que 60% deles concordam com o estado da cadeia, o checkpoint é consolidado. Além de atualmente ser muito caro realizar esse ataque no Dash, o criptoativo agora está totalmente protegido. Como consequência, se tornou o primeiro ativo digital imune aos ataques 51%.

Conclusão

Conforme você observou, o Dash tem funcionalidades que faltam em diversos criptoativos. A altcoin facilita sua vida ao realizar transações instantâneas e com opções de anonimato. Além disso, você pode desfrutar de uma das redes descentralizadas mais segura do mercado. Tudo isso coloca o Dash em uma posição privilegiada o que possibilita um alcance rápido de adoção do varejo. Só para exemplificar, na Venezuela, o Dash já é um dos criptoativos mais utilizados e seu desenvolvimento na América Latina não para de crescer. Sendo assim, o Brasil pode sim ser o grande pátio para o criptoativo. Após entender como o Dash funciona, você já tem mais clareza para saber se é realmente essa altcoin que deseja ver aqui na Bitcointoyou. Não esqueça de votar na Cripto Urna.