Bitcoin, um sonho que nascia há 11 anos atrás

Bitcoin, um sonho que nascia há 11 anos atrás

Bitcoin – 31 de Outubro de 2008. Uma sexta-feira como qualquer outra. O mundo mergulhava em uma das suas piores crises econômicas e financeiras. Foi nesse dia que Satoshi Nakamoto publicou um artigo explicando aquilo que seria a criptomoeda mais conhecida no mundo, o Bitcoin.

O título da matéria era: “Bitcoin: Um Sistema de Dinheiro Eletrônico de Ponto a Ponto”. Estava dado o pontapé inicial. As criptomoedas à partir de então iriam começar a expandir-se por todo o planeta.

Não sem antes contar com a desconfiança de muitas pessoas. As primeiras transações começaram a ser realizadas no ano de 2009. E o Bitcoin caminhou assim, modestamente até meados de 2016, quando passou então, a ganhar mais notoriedade.

Porém, foi somente no ano de 2017 que a cotação da moeda digital disparou. No final daquele ano, a cotação do Bitcoin chegou a bater US$ 20 mil. Um verdadeiro recorde histórico, mas que veio a cair sequencialmente.

Leia também – Blockchain – Embrapa usará essa tecnologia no abastecimento da cana!

O Bitcoin tornou-se então a maior criptomoeda do planeta

Tamanho foi o sucesso do Bitcoin, que muitas pessoas passaram a comprar a criptomoeda como forma de investimento. Ou seja, ao invés de utilizarem a moeda digital para transacionar produtos e serviços, passaram a guardá-la esperando sua valorização.

Assim o Bitcoin tornou-se um verdadeiro ativo digital. E com isso outras criptomoedas foram surgindo, como no caso a Ethereum. No entanto, algumas moedas digitais não foram capazes de emplacar, já outras tornaram-se conhecidas.

O Bitcoin é conhecido pela sua tecnologia de ponta, o Blockchain. Essa tecnologia tornou-se famosa por ser descentralizada, ou seja, os dados não são armazenados em uma única central.

Um outro aspecto importante é que o Bitcoin, por se tornar tão volátil abriu discussão para que outras criptomoedas pudessem solucionar esse problema. E então nasceu o conceito das Stablecoin.

Essas novas moedas digitais, para solucionar o problema da volatilidade passaram a contar com reservas de ativos para assegurar o seu valor. Ou seja, não é possível emitir 1 Stablecoin sem que haja uma determinada reserva para isso.

Dessa maneira, tais criptomoedas, surgem com a intenção não de serem usadas como ativos, mas sim, como verdadeiras moedas que farão o papel de troca entre produtos e serviços.

Assim sendo, o passado recente que hoje já é realidade está cada vez mais presente na vida das pessoas. Portanto, é bem possível que a maneira como as transações são realizadas sofra uma profunda mudança nos próximos anos.