Aumentam os números de roubos em criptografia no Japão no primeiro semestre de 2018

Aumentam os números de roubos em criptografia no Japão no primeiro semestre de 2018

Aumentam os números de roubos em criptografia no Japão no primeiro semestre de 2018

Um dos maiores mercados de criptomoedas mundial, o Japão registrou o triplo de ataques cibernéticos a ativos de moeda virtual durante os seis primeiros meses de 2018, em relação ao mesmo período do ano passado, segundo estatísticas ressentes da Agencia Nacional de Polícia (NPA).

No primeiro semestre de 2017, houve “apenas” registro de 60 ações promovidas pelos cibercriminosos, enquanto em 2018 o número de casos relatados foram de 158. A moeda Bitcoin foi a que teve maior numero de registro de furtos (94), o que gerou um prejuízo de 860 milhões de ienes. Logo após, veio a XRP com 42 casos, totalizando 1,52 bilhões de ienes. Em terceiro lugar no ranking ficou a Ethereum (ETH), com 14 casos, o que correspondeu a 61 milhões de ienes.

De acordo com autoridades japonesas, mais de 60% dos casos foram envolvidos por pessoas que utilizaram a mesma senha e ID para contas de internet e outros serviços virtuais, como compras online para negociações de criptomoedas.

Para conter essa série de ataques cibernéticos, as autoridades do Japão estão buscando formas de aumentar ainda mais o controle e segurança nos meios de mercados em criptomoedas, introduzindo regras mais rígidas. A Financial Services Agency (FSA) inspeciona periodicamente várias bolsas e solicitou melhorias. O NPA fortalece a confirmação mediante aos IDs de usuários.

Porém, na última quarta-feira (19), o cambio japonês Zaif notificou uma perda de 60 milhões de dólares num ataque de hacker.