cripto urna: CONHEÇA a nano

cripto urna: CONHEÇA a nano

Se tem uma altcoin que sem dúvida se tornou querida no mercado blockchain é a Nano. O criptoativo foi lançado em 2015 e hoje representa a verdadeira geração de código aberto, sustentável e segura. Assim como as demais altcoins, veio para o mercado com o intuito de corrigir as ineficiências percebidas no Bitcoin.

A Nano é uma rede com transferências rápidas e ao contrário de outros ativos digitais que cobram altas ou baixas taxas para transações, a altcoin faz isso gratuitamente. De acordo com as informações em seu site, a Nano torna o dinheiro eficiente para um mundo mais igualitário, fácil de integrar e aberto a todos. Conheça agora algumas vantagens percebidas na altcoin.

Nano e Mineração

Certamente você já sabe que o Bitcoin e a maioria das altcoins entram no mercado através da mineração. Como o processo de proof of work foi criado para ser difícil para garantir a segurança da rede do Bitcoin, ele precisa de máquinas potentes e um grande gasto de energia. Ou seja, a criação do BTC está indo na contramão do mundo, pois a cada dia os indivíduos se conscientizam mais sobre os problemas ecológicos e criam soluções para resolvê-los.

Dessa maneira, os criptoativos não poderiam ficar de fora dessa mentalização. Por isso o modelo de criação da Nano é totalmente “eco-amigável”. Todas as 133.248.297 moedas já foram emitidas sem depender de mineração, impressão ou cunhagem. Ademais, a Nano foi programada para utilizar o mínimo possível de recursos computacionais. Assim sendo, a altcoin se coloca à frente de seu tempo porque a tendência é que esse modelo sustentável seja uma regra em breve, pois não agride o meio ambiente.

Transações rápidas e sem taxas da Nano

De fato, um criptoativo ativo sem taxas e de envio instantâneo chama muita atenção. A Nano ao fazer transações dessa maneira pode ser uma real concorrente para as gigantes Visa e Mastercard. Contudo, muitos se perguntam: como a Nano consegue ser rápida e, ao mesmo tempo fácil de usar? Essas transferências são possíveis porque a altcoin utiliza o Block Lattice. O protocolo foi introduzido pela Nano com a finalidade de melhorar o modelo atual de blockchain utilizado hoje pelo Bitcoin.

Em resumo, o Block Lattice, permite que cada indivíduo realize transações na rede, possua seu próprio blockchain e controle o saldo de sua conta e não o valor da transação. Com isso a rede não fica pesada, pois, os requisitos de armazenamento são menos intensivos devido à remoção de dados. Como resultado, as transações são mais rápidas que no blockchain, fazendo da Nano a referência descentralizada para as próximas altcoins do mercado.

Comunidade da Nano

Enquanto muitos projetos não contam com o apoio da comunidade, a Nano não precisa se preocupar com isso. A altcoin desfruta de uma participação muito engajada e ativa. Isso é importante, pois é a comunidade que faz o projeto melhorar como, por exemplo, dando sugestões no Github. Aliás, em abril, a Nano fez um comunicado no Twitter agradecendo pelo incentivo da comunidade aos técnicos e não técnicos que trabalham no projeto.

Um grande exemplo do engajamento da comunidade foi o ocorrido na Venezuela em 2018 já que um entusiasta venezuelano conseguiu arrecadar 100 kg de comida, como fubá, carne, arroz e açúcar, para sua família e vizinhança. A comunidade da Nano doou dezenas moedas para que isso fosse possível. Ademais, o entusiasta do país sul-americano conseguiu fazer com que um varejista aceitasse Nano em troca de comida. Mais um ponto positivo não só para a altcoin, mas para toda a comunidade.

Gastos duplos na rede da Nano

Posto que o gasto duplo era o principal problema das tentativas de um dinheiro eletrônico antes do Bitcoin, o criptoativo ganhou destaque por conseguir vencer essa dificuldade. Como o próprio nome já diz, o erro ocorre quando o mesmo ativo digital é gasto duas vezes. Já que esse é um dos principais medos dos usuários de criptoativos, a Nano não poderia deixar de olhar para esse lado do mercado.

Para evitar que isso ocorra, a Nano usa uma estrutura de consenso baseada em votação, chamado Open Representative Voting. Dessa maneira, qualquer conta pode optar por um representante para votar em seu nome e esses indivíduos permanecem on-line para votarem na validade das transações da rede. A saber, o peso dos votos é a soma dos saldos das contas que lhes são delegadas. Uma opção adequada é diversificar os representantes para aumentar a resiliência e a descentralização da rede. O mecanismo de consenso dPoS, utilizado pela Nano, diminui a quantidade de nós da rede garantindo a segurança e a escalabilidade da altcoin.

Ataques de Rede

Não há nada pior que utilizar um criptoativo com uma segurança ruim. Desse modo, a Nano trabalha para trazer mecanismos integrados para proteger a rede de diversos ataques. O mais temido, o ataque de 50%, por exemplo, tem um risco muito baixo na altcoin. Antes de explicar como a Nano se defende nessa área, precisamos resumir o que é esse ataque para os iniciantes do mercado.

Diferente dos criptoativos que trabalham com mineração, a Nano opera com o sistema de votação. Se um invasor tiver 50% desse poder, ele pode fazer com que as votações da rede oscilem. Ou seja, o sistema se torna inútil. Para se proteger disso, a Nano conta com alguns mecanismos de defesa. Em primeiro lugar, deixa o sistema destrutivo ao vincular o voto ao investimento. Já que o incentivo para esses ataques é sempre o financeiro, o custo é proporcional ao valor de mercado de todo a altcoin. Assim sendo, o ataque não fica mais tão atrativo.

Conclusão

A Nano consegue acabar com as limitações do blockchain com uma nova estrutura de dados. Ademais, seu modelo de funcionamento pode trazer muitas altcoins com a mesma visão ou com projetos melhorados. Sem dúvida, as características da Nano farão com que ela cresça ainda mais e continue subindo no top 100. Após entender como a Nano funciona, você já tem mais clareza para saber se é realmente essa altcoin que deseja ver aqui na Bitcointoyou. Não esqueça de votar na Cripto Urna.