Banco Central fará amanhã evento sobre real digital

BANCO CENTRAL FARÁ AMANHÃ EVENTO SOBRE REAL DIGITAL

Banco Central fará amanhã evento sobre real digital

Conforme o mundo observa bancos centrais buscando emitir suas moedas digitais, o Brasil resolve não ficar de fora. O Banco Central do Brasil inicia na quinta-feira (29) uma série de eventos voltados ao tema do real digital.

O primeiro webinar, intitulado “Potenciais do real em formato digital”, falará sobre o cenário mundial das CBDCs e quais as vantagens um real digital pode ter em relação à moeda física.

O evento será gratuito e será realizado no canal do Banco Central no YouTube, e contará até mesmo com um membro do grupo que estuda o desenvolvimento do dólar digital.

Real digital ganha evento

A série sobre o real digital é composta de sete webinars gratuitos, e abordará desde preocupações com transferências online até o conceito de contratos inteligentes. Para o evento de quinta-feira, estará presente Robert Townsend, membro da comissão de desenvolvimento do dólar digital,

Trata-se de uma importante adição, considerando o pessoal de uma moeda digital estadunidense teria no cenário de criptomoedas.

Estarão presentes também o professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) e especialista na avaliação do impacto de novas tecnologias a bancos, Eduardo Diniz; e Keiji Sakai, country manager da R3, empresa responsável pelo desenvolvimento da blockchain empresarial Corda.

A princípio, cogitava-se que o Pix fosse a “moeda digital” do Brasil, conforme afirmou Roberto Campos Neto, presidente do Bacen. Entretanto, é valioso para a esfera de criptomoedas ver o desenvolvimento de uma moeda digital nacional.

Somatório positivo

Além de uma postura que não afasta as criptomoedas do debate, o Brasil recentemente tem se mostrado especialmente receptivo. Diferentes ETFs de criptomoedas foram lançados, e outros já foram anunciados com lançamento previsto para o próximo mês.

Ressalte-se ainda o recente reconhecimento da palavra “criptomoeda” pela Academia Brasileira de Letras (ABL), que inclui o termo no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (Volp).

Com a inclusão, criptomoeda se torna um termo reconhecido em solo nacional e pode ser utilizado em publicações de meios de comunicação oficiais.

Com a série de decisões favoráveis, é possível que o mercado de criptomoedas no Brasil se torne um terreno fértil, com um prospecto positivo para os próximos anos.