Dois em cada três entusiastas com o bitcoin preferem receber salários em criptomoedas

Dois em cada três entusiastas com o bitcoin preferem receber salários em criptomoedas

Dois em cada três entusiastas com o bitcoin preferem receber salários em criptomoedas

O mercado de trabalho está mudando e, com ele, a forma de conquistar os seus melhores colaboradores. É o que aponta uma pesquisa realizada pela startup de RH Chronobank com 445 pessoas entusiastas pela moeda em diversas empresas e que têm familiaridade com o mercado de criptoativos no mundo todo. O estudo mostra que dois terços dos entrevistados gostariam de receber seus rendimentos em moedas virtuais ao invés de moeda fiat.

No entanto, a pesquisa demonstrou ainda que dos 66% que desenham receber seus salários em criptomoedas, apenas 30% destes acreditam que os países em que suas empresas operam vão conseguir oferecer essa opção de pagamento. Os norte-americanos que participaram da pesquisa foram os mais céticos quanto a possibilidade da abertura desta alternativa.

Em relação a gratificações e bônus, o percentual de entrevistados que aceitariam receber o pagamento em criptomoedas é de 83%. Os países que demostram maiores aberturas em adotar essa forma de pagamento são Japão, Coréia do Sul e Estados Unidos.

Sobre ao crescimento econômico dos países que aderirem a esse modelo, 57% dos entrevistados se mostram confiantes de que tais iniciativas afetarão positivamente e poderá fazer a economia do pais expandir.

Entre escolher o seu local de trabalho e receber o salário em criptomoedas, 72% dos entrevistados confessaram que prefeririam um empregador que apresente a opção de pagamento de salário em criptomoedas ao escolher seu próximo local de trabalho

A pesquisa percebeu uma maior diferença de gênero presente no ambiente das criptomoedas, pois 92% dos entrevistados eram do sexo masculino. Do total, 40% tinham entre 25 e 34 anos e 75% estão atualmente empregados.
Os resultados da pesquisa foram publicados em reportagem da CCN na última quinta-feira (13).